A psicanálise e o esvaziar-se de si

setembro 13, 2011 às 5:31 pm | Publicado em Artigos | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , ,

“A palavra foi dada ao homem para encobrir seu pensamento”, Stendhal

Por André Toso

Entre as inúmeras contribuições da psicanálise para a humanidade, talvez a que mais se destaque é a abertura da possibilidade de escutar o outro. A figura do analista representa um esvaziar-se de si mesmo e abrir-se para as inquietações, conflitos e, fundamentalmente, para o discurso do paciente. Para tanto, é necessário que o analista deixe do lado de fora de seu consultório todas as suas opiniões morais e escute as demandas do paciente sem julgamentos ou concepções pré-definidas. É ouvir o outro em sua inteireza, de forma depurada e sem misturar-se com o que é falado. É ouvir por ouvir, sem a ansiedade de uma resposta que se enquadre em um diálogo. É ouvir sem sequer pensar em construir um diálogo racional. O diálogo se constrói por si mesmo, nas entrelinhas, sensações e naturalidades da fala do paciente. É essa fala do paciente que leva à resposta do analista, como num eco. Não se trata de um diálogo construído: trata-se de um diálogo que simplesmente nasce em si mesmo.

Por isso mesmo, o psicanalista inglês Donald Woods Winnicott (1896-1971) diz que a sessão psicanalítica é um momento sagrado. Sagrado, pois consiste em uma tentativa de encontrar a verdade que não está nas palavras e sim na essência do que é cada ser humano. A verdade que não pertence nem ao analista nem ao paciente. A verdade que pertence à própria experiência humana. Uma verdade intangível, que se estabelece diante da singularidade de cada um e escapa a teorias ou enquadres. Uma verdade que transcende – própria da experiência de cada paciente. Uma verdade que nunca é totalmente revelada, mas pode ao menos ser parcialmente iluminada.

Uma boa análise objetiva libertar o paciente de suas próprias amarras fantasiosas e das amarras do meio social em que ele vive. É libertar o paciente do discurso do Outro – como diria Jacques Lacan (1901-1981) –, do discurso dos pais e mães. Mas esses pais e mães ultrapassam em muito a barreira familiar e não são apenas os biológicos. A psicanálise busca libertar o paciente do discurso do poder, das instituições, tradições, imposições e até mesmo das leis que regem a vida social. É libertar o paciente do discurso inventado pela própria história humana. É desintoxicar a mente do excesso de discurso, do excesso de palavras, do excesso de regras estabelecidas que se estendem ao longo da trajetória humana. O papel da psicanálise é reinventar a experiência humana contestando tudo que até então foi imposto ao sujeito pelo discurso externo. É limpar os signos e símbolos em excesso que sufocam o humano e lhe tiram seu caráter misterioso, subjetivo, essencial e quase místico. A psicanálise trabalha com a palavra narrada para desgastá-la a ponto de ela perder sua importância central e restar apenas a essência. A palavra – que muitas vezes cega – é substituída pelo sentir.

É esse sentir que levará o paciente a criar sua própria ética. Uma ética que não responde a instituições ou regras estabelecidas, mas que ecoa dentro de sua essência. Uma ética que dispensa a obrigação e o apalavrado – que é essência em si mesma. O paciente, ao estar diante de um analista que se esvazia para contê-lo, aprende também a esvaziar-se para conter todos que o cercam na comunidade. Aprende a olhar o outro sem barreiras morais, respeitando as singularidades, experiências e vivências de cada um. Um ser humano analisado aprende a respeitar o espaço de si e do outro, separando o seu querer e poder do querer e poder do outro. Ele aprende a delimitar-se na relação com o outro, respeitando-o e sabendo instintivamente que para construir-se é preciso do outro, mas que esse outro também está ali para construir-se com ele. Esse paciente aprende a olhar a si e ao outro respeitando o mistério da experiência humana. Respeita-se a si, respeita-se o outro e respeita o próprio mistério do existir humano. É um ser que consegue esvaziar-se de si para acolher o outro. É alguém preparado a conviver com unidade e em comunidade.

Anúncios

“O Discurso do Rei” e a situação analítica

fevereiro 21, 2011 às 6:23 pm | Publicado em Resenhas | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Os atores Colin Firth (o rei George VI) e Geoffrey Rush (o terapeuta Lionel Lougue): o filme fala muito sobre a relação entre paciente e analista

Por André Toso

Em cartaz nos cinemas brasileiros e um dos favoritos para a conquista do Oscar, O filme “O Discurso do Rei” é uma verdadeira aula sobre a relação entre terapeuta e paciente na clínica psicanalítica. No roteiro, a história do Rei George VI, que, por conta de problemas de gagueira, não consegue discursar em público. O personagem, brilhantemente vivido pelo ator Colin Firth, sai em busca de uma solução até encontrar o terapeuta da fala Lionel Lougue (vivido pelo ator Geoffrey Rush).

Lougue, ator frustrado e adorador de Shakespeare, parece conhecer a fundo a teoria psicanalítica e a aplica de forma pouco ortodoxa para curar problemas de voz em seus pacientes. Apesar dos exercícios típicos da fonoaudiologia, o terapeuta sabe que as razões principais para a gagueira do rei moram muito mais nos calabouços emocionais do que nos problema físicos.

O primeiro aspecto que pode ser discutido é o fato de o terapeuta não possuir nenhum tipo de credencial para sua atividade. Em 1926, no livro “A Questão da Análise Leiga”, Freud defende com veemência que a atividade psicanalítica deve ser independente da medicina ou de qualquer outra formação acadêmica. De certa forma, é isso que ocorre nos dias de hoje, com a disseminação das sociedades livres de psicanálise pelo País e pelo fato dos cursos de psicologia serem incapazes de munir seus alunos para a complexidade da teoria do inconsciente. Freud também salientava a importância da análise pessoal do futuro psicanalista, única forma de ele estar preparado para enfrentar as transferências de uma análise.

No filme, Lougue, apesar de não seguir nenhum tipo de escola terapêutica, bebe de todas elas e mostra boa capacidade e sensibilidade no trato com o paciente. A sinceridade com que exerce seu ofício e o comprometimento e o desejo com a melhora do paciente já parecem lhe atribuir condições de realizar o atendimento. É neste momento que o terapeuta cria um vínculo perfeito com seu paciente, o auxiliando da forma mais honesta e, por que não, profissional possível.

O psicanalista Wilfred Ruprecht Bion (1897 -1979) consolidou o termo vínculo na clínica. Com seu conceito de continente/conteúdo, teoriza que o analista precisa criar uma ligação de confiança com o seu paciente e oferecer a ele uma recepção para sua dor (ele chamou isso de reverie). A falha ocorrida na formação emocional do paciente deve ser recebida pelo terapeuta, que deve contê-la, elaborá-la e devolvê-la ao paciente “desintoxicada”.

Winnicott (1896-1971), por sua vez, utiliza a expressão holding para falar sobre a relação entre paciente e terapeuta. O pediatra e psicanalista acredita que o sujeito só pode vir a ser com o apoio de uma mãe suficientemente boa em sua formação emocional. O papel do psicanalista, portanto, é auxiliar o paciente a encontrar a confiança egóica para criar as condições para ele vir a ser. No filme, a voz de George VI se torna mais firme conforme sua confiança em relação ao terapeuta aumenta. No momento que o rei faz a transferência e acredita no papel de seu analista, ganha confiança e se sente abraçado. A presença do outro, que passa a conhecer sua história e lhe compreender, neste ponto, lhe dá a segurança para vir a ser, para se expressar sem sobressaltos e inseguranças. É neste momento que a análise funciona e que, como diria Winnicott, ocorre um momento sagrado entre terapeuta e analista.

Muitos outros detalhes são interessantes em “O Discurso do Rei”. São claros os momentos de transferência, resistência, contratransferência e a necessidade de o analista em tratar o paciente como igual. Apesar de rei, quem dava as cartas no consultório era o terapeuta, que se manteve firme ao olhar seu paciente como um ser humano como outro qualquer, sem coroas ou tronos a interferirem em seu trabalho (fator fundamental para a psicanálise). No final, o laço terapêutico se fecha com a confiança do paciente em seu analista e um nascimento de seu desejo – real e espontâneo – de vir a ser. Se o discurso do rei é a voz de um povo, o discurso do terapeuta tem o papel de ser uma voz que desperta o analisando para o mundo dos seus próprios desejos. Em “O Discurso do Rei”, George VI precisa apenas do apoio de um homem que lhe enxergue de verdade, sem as fantasias de um rei.

Dimensões do silêncio

janeiro 14, 2011 às 5:38 pm | Publicado em Artigos | Deixe um comentário
Tags: , , , , , ,

 

O psicanalista Gilberto Safra

Por André Toso

Em conferência realizada em 2009, o psicanalista e pensador brasileiro Gilberto Safra falou sobre as dimensões do silêncio. Apenas o título da palestra já seria tema de reflexão e de curiosidade. Mas o conteúdo da fala de Safra impressiona. Seu pensamento, moderno e multidisciplinar, faz estudantes e psicanalistas pensarem além do óbvio e abandonarem a preguiça intelectual. E o mais interessante é que os tecnicismos ficam de lado e qualquer indivíduo que consiga interpretar um texto consegue usufruir da sabedoria deste pensador.

Utilizando a prática clínica do pediatra e psicanalista inglês Donald Woods Winnicott (1896 – 1971) como base, Safra afirma que o silêncio deve ser tratado como um dos temas fundamentais de nosso tempo e, por consequência, da psicanálise. Para Winnicott, o estado em que o ser humano pode recomeçar e se entender é quando ele goza da solitude. E essa solitude, por sua vez, só pode ser alcançada em um momento em que o paciente se encontra totalmente dependente e, portanto, não se sente como um ser. “É aí que o individuo inicia a experiência de si mesmo, como só”, diz Safra. É neste momento que ocorre o fenômeno da comunicação silenciosa.

No momento da análise, inúmeros pacientes, ao se depararem com o silêncio, não vivem uma experiência de presença e sim de agonia diante do impensável, do indizível. Pelo fato de o sofrimento do analisando sempre expressar algo sobre o mal-estar contemporâneo, tem-se aí a importância que o silêncio tem em nossos tempos, e como é difícil encará-lo. Por isso, o analista deve ser silêncio para acolher a singularidade do paciente. Mas ele deve ser também objeto interventor, pois se for só silêncio convidará o analisando a cair em um precipício ao qual ele não está preparado.

Assim como o bebê, o paciente necessita de um ser humano que lhe seja objeto e presença. A presença é que a mãe possibilite o bebê ser no estado de quietude. A beleza da frase é óbvia. Apenas com o olhar, com a presença física, sem palavras, já que o bebê não tem ferramentas de comunicação, é que a mãe consegue fornecer ao seu filho o amor e o conforto que ele necessita. Na clínica esse também deve ser o papel do analista: criar um vínculo tão forte com seu paciente que o silêncio, o estar juntos em uma sala sem precisar de signos, transforme-se em presença.

Para Safra, a experiência de encontro do objeto possibilita a ação no mundo, e é isso que favorece a abertura para a realidade. Já a experiência de presença possibilita o estabelecimento do estado de quietude e o encontro do silêncio na interioridade do si mesmo. O silêncio na interioridade do si mesmo oferta morada ao núcleo do self que jamais se comunica (a parte de todos nós que não contém palavras, que é só instinto, pulsão).

Para Safra, e isso é muito bonito, o silêncio de si é paradoxalmente a presença silenciosa do outro. O analisando, portanto, precisa do objeto para mover-se no mundo e do silêncio para encontrar-se com seu mundo interno, que é intraduzível e indizível. O analisando, mesmo sem saber, busca esse indizível, essa não representação simbólica. Para explicar isso, Safra afirma que no mundo contemporâneo, onde tudo é significado, onde os signos formam toda a realidade, as pessoas buscam um silêncio, que pode estar em um desejo de morte ou em um desejo de ver o mundo desnudado, sem significado, não-nomeado.

O mundo, cada vez mais hiper-estimulado e funcional, tem cada vez menos a presença do silêncio. O homem, assim, atordoa-se em uma maré de informações e necessita de um silêncio que seja hospitalidade e não indiferença. Safra exemplifica com um analisando que vibrou ao ver uma cratera no asfalto de uma grande avenida da cidade. “Se tem uma cratera nessa avenida, o mundo tem esperança”, disse o paciente. Ele celebrava a visão da terra em meio a um mundo repleto de medidas, de coisas criadas pelo homem e não naturais. O analista, assim, deve conhecer a importância da palavra e também da não-palavra. Deve estar ciente da importância do silêncio do encontro com a presença do outro, com a terra originária (como no exemplo da cratera) para além da funcionalidade. É isso que possibilita a experiência de descanso para o ser humano. Ver o mundo como ele é e não vestido de asfalto e de significados.

Safra diz que indivíduos aprisionados em lucidez medonha, não podem dormir e nem acordar, vivem em contínuo estado de agonia, que pode levá-los a uma organização defensiva de tipo psicótica. Muitas dessas pessoas sentem-se tão sós, que se sentem fora da experiência de pertencer à humanidade. Acolher o silêncio do paciente, sem excesso de interpretação, é a saída. É mostrar para aquele ser, cheio de medidas e mais lúcido do que deveria, que o mundo é mistério e, por consequência, sua própria existência também é misteriosa.

Safra também diz que outras pessoas que também vivem uma lucidez medonha se organizam em um tipo de funcionamento niilista. Elas precisam continuamente atacar tudo aquilo que é social e isto se transforma em um estilo de vida, mas guardam em si a esperança de um encontro que as retire de um mundo organizado por artifícios. Elas buscam o silêncio.

Por tudo isso, para Safra, a posição diante do analisando deve ser mais ética do que técnica. O lugar ético do psicanalista demanda o enraizamento de si e da situação clínica no silêncio, que possibilite que o analista possa ser presença e objeto para o analisando. Especialmente para aqueles que foram capturados pela mentalidade hegemônica do mundo, na qual observamos a ênfase na funcionalidade, na hiper-realidade, no excesso de palavras vazias.

Em resumo, nesta conferência Safra nos fala sobre o silêncio como fundamento para gerar o encontro do paciente consigo mesmo e, por consequência, com o analista como presença e objeto. O analisando fala de suas experiências conscientes, o analista ao invés de interpretar tudo, tem um dever ético de respeitar o silêncio do paciente, pois é isso que ditará o ritmo da análise e mostrará ao analisando seu mundo interno, aquele que não possui palavras que o representem.

PARA LER A CONFERÊNCIA CLIQUE AQUI

PARA CONHECE O INSTITUTO DE GILBERTO SAFRA CLIQUE AQUI

 

Adoção por casais com filhos biológicos exige mais atenção

outubro 27, 2010 às 3:34 pm | Publicado em Notícias | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

Do Portal Psique / Agência USP

A experiência de pais que já têm filhos biológicos e partem para a adoção, analisada em pesquisa da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, é caracterizada por intensa carga emocional, sendo permeada por afetos ambivalentes, alternando alegrias e tristezas, conquistas e dificuldades, temores e confiança. O estudo recomenda que os profissionais da área de psicologia sensibilizem-se no que diz respeito aos interesses de todos os membros do grupo familiar, inclusive os filhos biológicos, tendo em mente a Nova Lei da Adoção, em vigor desde 2009.

A pesquisa da psicóloga Lívia Kusumi Otuka investigou a experiência da adoção por casais que já possuíam filhos biológicos, destacando as fantasias conscientes e inconscientes em relação ao processo de adoção, bem como a forma como se constrói a parentalidade adotiva nesses casos, em comparação à biológica. Para alcançar os objetivos propostos, foram entrevistados seis casais. “Eles revelaram que a chegada da criança ao lar trouxe intensas alegrias, bem como preocupações e dificuldades”, diz a pesquisadora.

Lívia afirma que na transição para a parentalidade adotiva, esses desafios puderam ser encarados e superados para a construção do relacionamento afetivo entre pais, filhos e irmãos. “Os filhos biológicos mostraram-se bastante empenhados nos cuidados do irmão adotivo, segundo o relato dos pais”, observa. “Eles parecem, também, ‘adotar’ a nova criança, oferecendo-lhe um espaço no imaginário da família, preocupando-se com a educação e com o provimento de melhores condições, tanto materiais, como afetivas.”

A partir do discurso dos casais, foram identificadas diversas fantasias que permeiam o universo da adoção, já discutidas na literatura científica. Entre elas, a pesquisadora faz referência à fantasia inconsciente de roubo do filho adotivo. “Os pais sentem como se estivessem roubando a criança de seus genitores biológicos, como se a adoção correspondesse, no plano inconsciente, a um ato delitivo. Parece haver, ainda, um temor de que a mãe biológica possa retornar e reivindicar a criança adotiva que lhe foi roubada”.

Ambiente

As entrevistas foram analisadas qualitativamente, a partir da teoria proposta pelo psicanalista inglês Donald Woods Winnicott (1886-1971), que dá ênfase à importância do ambiente para o desenvolvimento da criança. Este autor propõe que, a partir do provimento de um ambiente suficientemente bom, capaz de reconhecer e atender as necessidades do bebê na medida exata, a criança pode desenvolver-se, amadurecer e, de fato, existir no mundo.

Nesse contexto, a pesquisadora considera de vital importância as vivências de cuidados parentais durante a primeira infância, pois elas influenciam o modo como a pessoa irá se desenvolver posteriormente. “Deve-se considerar que futuras dificuldades apresentadas pela criança podem estar relacionadas a experiências bastante antigas, até mesmo anteriores ao processo de adoção. As vivências de abandono precoce podem repercutir posteriormente na forma como ela irá se relacionar com seus pais adotivos, podendo mostrar-se extremamente sensível a qualquer possibilidade de separação”, enfatiza.

Para Lívia, os profissionais envolvidos com a temática da adoção no Brasil precisam facilitar e favorecer condições para a construção de ambientes familiares saudáveis. “São elementos fundamentais para que a família se constitua em um espaço privilegiado de transmissão e construção de valores, saberes, práticas e trocas afetivas, oferecendo um contexto de desenvolvimento tanto para os filhos adotivos, quanto para os demais membros da família.”

A pesquisa faz parte do trabalho de Iniciação Científica Adoção suficientemente boa: experiência de um casal com filhos biológicos, orientada pelos professores  Manoel Antônio dos Santos, da FFCLRP, e Fabio Scorsolini-Comin, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). O estudo recebeu a terceira colocação no I Prêmio Recém Formado da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, destinado a monografias de alunos formados há, no máximo, dois anos, em todo o país. Lívia graduou-se em Psicologia pela FFCLRP no início de 2010.

 

 

 

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.