Crise de Meia Idade – Encontrando a saída – Parte 5 – Final

setembro 6, 2010 às 10:00 am | Publicado em Artigos | Deixe um comentário
Tags: ,

Encontrando a saída

Entenda porque a crise de meia idade masculina é descrita por psicoterapeutas e médicos como um dos mais desestruturantes processos experimentados por um homem

Parte 5 – Final

Fernando Savaglia

Mas todos os homens estariam fadados a enfrentar a crise de maneira turbulenta? “Acredito que alguns homens não apresentam os sintomas, mas internamente este rearranjo é inevitável”, opina Peixoto.

Já Luvizotto acredita que os grandes conflitos que acometem muitos homens no período são causados pela falta de preparo ao longo da existência para o encontro consigo mesmo na segunda metade da vida, ressaltando que cada caso deve ser analisado de maneira particular. O analista junguiano faz uso de  uma analogia para explicar seu ponto de vista; “podemos imaginar a primeira etapa como se estivéssemos subindo uma montanha e a segunda, como se estivéssemos descendo. Alguns subiram de costas, fixados em algo e com a tendência de descer se agarrando e resistindo ao processo. Há alguns, porém, que vão se agarrar de tal maneira que nunca vão descer. Estes  são os indivíduos que têm o desejo de nunca se tornar adultos”.

Já na visão do psicanalista Eduardo Moreira, alguns homens não passam pelo processo, da mesma forma que existem muitas crianças que não vão para a função de sujeito. “O sujeito é aquele que não precisa mais ser interpretado. Ele interpreta.  Conheço homens com 60 anos que continuam no ideal do pai ou da mãe”. Para o terapeuta, o desenvolvimento do homem se dá no plano simbólico e, como tal, não há garantia do que vai acontecer. “A  metanóia ativa a pulsão de morte e você inicia o processo tentando não vivê-lo. Essa paixão que descrevemos como a que geralmente desencadeia a crise é, antes de tudo,  um investimento na não aceitação da falta”.

Todos os entrevistados para esta matéria foram unânimes em afirmar que a crise, seja ela aguda ou não, requer uma mudança estrutural e de significados na própria vida, o que pode levar o individuo a lidar com seus processos psíquicos de uma maneira muito mais sábia.

“Não podemos tratar o processo como neurose, mas como uma voz da essência. É preciso alinhar o sujeito com ele mesmo para que ele consiga ir na direção que necessita na vida, trabalhando a perda, o desligamento do imaginário familiar do qual ele está se divorciando”, opina Moreira. O psicanalista aponta ainda um ponto crucial na terapia dos indivíduos que enfrentam a crise: “eu diria que a ‘metástase’ da metanóia é à volta ao passado. É fundamental se trabalhar a libertação da pessoa em relação ao passado. Podemos comparar essa crise como uma febre que não se deve diminuir. É obvio que não podemos deixar a febre matar o paciente, porém, é ela que vai tornar o ambiente inóspito ao vírus, que no caso é justamente o passado”.

Carl Gustav Jung usava o termo sacrifício para designar a renúncia de uma atitude psicológica em prol de uma com um significado mais profundo e abrangente. O processo, por vezes muito sofrido, imposto pela metanóia daria, segundo a visão do médico suíço, frutos que levariam o homem rumo a sua completude.  “A metanóia pode desencadear uma crise muito benéfica. É possível se passar pelo processo de uma maneira mais criativa, possibilitando assim a passagem para a segunda metade da vida com uma bagagem muito positiva”, ressalta Luvizotto .

Também na visão de Moreira a superação da crise reserva ao indivíduo uma sensação de conquista. “É comum, após a crise passar, você se sentir muito mais alinhado com você mesmo. Por mais sofrida que seja, essa crise pode te levar para o lugar em que você deveria estar. É um processo necessário e eu diria que passar por ele é um privilégio”.


A crise masculina na literatura…

  • Fausto – Goethe
  • Quando Nietzsche Chorou - Irvin D. Yalom
  • Alta Fidelidade – Nick Hornby
  • Lolita – Vladimir Nabokov

…e no cinema

  • Lolita – 1962
  • Beleza Americana – 1999
  • Alta Fidelidade – 2000
  • Alguém Tem Que Ceder – 2003
  • Jornada da Alma – 2003
  • O Gatão da meia idade- 2006

Para saber mais…

  • Metanoia e Meia Idade – Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro
  • Homem – A chave do entendimento dos três níveis da consciência masculina – Robert A. Johnson


“O grande impasse do desenvolvimento psicológico é a fixação”.

José Marcio Luvizotto – analista junguiano.

“A sensação é a de que quando eu descobri as respostas, a vida mudou as perguntas”.

Eduardo Albano Moreira – psicanalista


Deixe um comentário »

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com. | O tema Pool.
Entradas e comentários feeds.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 50 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: